A Matéria Escura na cosmologia é uma forma de matéria na qual sua presença só pode ser inferida a partir de efeitos gravitacionais sobre a matéria visível.
No acontecimento coreográfico que tece o ecossistema que o Cena 11 nomeia de Matéria Escura, ela é o nome próprio de um segredo, um segredo sintoma.

Na véspera de completar 30 anos de trajetória, o Cena 11 propõe uma dança que se modula músculo, esquelética, emocionalmente através da gravidade, transitando para expansões nas quais tudo que se move é potência em dança.

Em Matéria Escura, o segredo é uma cumplicidade comportamental no qual o sintoma material é um acontecimento ético estético, que cria um ecossistema bio cultural transitório. Uma sintaxe entre palavras, corpos, modos de inteligência, luz, ficção e devires entre carne, pixel e processamento.

Na techno diversidade que o Cena 11 se contextualiza, os modos de operação de Matéria Escura são atravessados por sistemas físico digitais criados pela Cia. junto ao artista Diego de los Campos. Toda sonoridade, imagem e ritmo nascem desse relacionamento.

As vozes são som, palavra e canção. Num texto coletivo auto fundado e de autogestão. Som, fonema e morfema em coreografia generativa: Caos Caption.

Matéria Escura é um segredo sintoma híbrido. Nascido a princípio para ser acessado via internet em setembro de 2021.
Expandido agora para seu acontecimento simultâneo para palco e tela, toda apresentação é também coexistente com sua versão em streaming.

Pela primeira vez no palco do Teatro do SESC POMPEIA, esta estreia marca 26 anos de colaboração junto ao SESC SP desde a primeira apresentação no SESC Consolação em 1996. Lá naquele ano no texto da nossa apresentação dizíamos: O novo nasce no fóssil.
Isso reverbera em outras vozes hoje neste renovar constante feito pelos corpos que fazem a vida desta dança seguir pulsando para preservar e mudar.
O novo nasce no fóssil.
Palavra, osso do pensamento.
A escuridão é uma queda livre pra dentro dos olhos.