Para celebrar a diversidade sexual e a multiplicidade de corpos e peles, esta obra foi desenvolvida como parte do II DIGO – Festival Internacional de Cinema da Diversidade de Goiás, reunindo 31 modelos voluntários registrados pelo fotógrafo Alejandro Zenha e pelo diretor de cinema Cristiano Sousa.
E se todos os corpos formassem um só corpo? Se cada corpo fosse o elo de uma corrente única, infinita? Este foi o caminho proposto aos modelos, sugerindo um fio condutor que nos levasse a uma multidão, um mar de gente para, assim, contemplar e ressaltar a individualidade.
Quando este corpo fala por si só, mas, ainda assim, empresta sua voz ao todo, se colocando como semelhante, ele ganha um novo significado – além da nudez, além do gênero, além do erotismo: é um “CORPO N(eu)TRO”.
Edição e Fotografia: Cristiano Sousa
Produção: Alejandro Zenha, Cristiano Sousa
Still e Produção: Hugo Acioli